Sexta-feira da 3ª Semana da Quaresma  III Semana do Saltério

Compartilhar:

 

Invitatório

 


V.
Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém.

Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

Hino

Agora é tempo favorável,

divino dom da Providência,
para curar o mundo enfermo
com um remédio, a penitência.

 

Da salvação refulge o dia,
na luz de Cristo a fulgurar.

O coração, que o mal feriu,

a abstinência vem curar.

 

Em corpo e alma, a abstinência,

Deus, ajudai-nos a guardar.

Por tal passagem, poderemos

à páscoa eterna, enfim, chegar.

 

Todo o Universo vos adore,

Trindade Santa, Sumo Bem.

Novos por graça entoaremos

um canto novo a vós. Amém.

Salmodia

Ant. 1 Estou cansado de gritar e de esperar pelo meu Deus.

Salmo 68(69), 2-22.30-37

O zelo pela vossa casa me devora

Deram vinho misturado com fel para Jesus beber (Mt 27,34).

I

2 Salvai-me, ó meu Deus, porque as águas *
a o meu pescoço já chegaram!

3 Na lama do abismo eu me afundo *
e não encontro um apoio para os pés.

– Nestas águas muito fundas vim cair, *
e as ondas já começam a cobrir-me!

4 À força de gritar, estou cansado; *
minha garganta já ficou enrouquecida.

– Os meus olhos já perderam sua luz, *
de tanto esperar pelo meu Deus!

5 Mais numerosos que os cabelos da cabeça, *
são aqueles que me odeiam sem motivo;

– meus inimigos são mais fortes do que eu; *
contra mim eles se voltam com mentiras!

– Por acaso poderei restituir *
alguma coisa que de outros não roubei?

6
Ó Senhor, vós conheceis minhas loucuras, *
e minha falta não se esconde a vossos olhos.

7 Por minha causa não deixeis desiludidos *
os que esperam sempre em vós, Deus do universo!

– Que eu não seja a decepção e a vergonha *
dos que vos buscam, Senhor Deus de Israel!

8 Por vossa causa é que sofri tantos insultos, *
e o meu rosto se cobriu de confusão;

9
eu me tornei como um estranho a meus irmãos, *
como estrangeiro para os filhos de minha mãe.

10 Pois meu zelo e meu amor por vossa casa *
me devoram como fogo abrasador;

– e os insultos de infiéis que vos ultrajam *
recaíram todos eles sobre mim!

11 Se aflijo a minha alma com jejuns, *
fazem disso uma razão para insultar-me;

12 se me visto com sinais de penitência, *
eles fazem zombaria e me escarnecem!

13
Falam de mim os que se assentam junto às portas, *
sou motivo de canções, até de bêbados!

Ant. Estou cansado de gritar e de esperar pelo meu Deus.

Ant. 2 Deram-me fel como se fosse um alimento,
em minha sede ofereceram-me vinagre.

II

14 Por isso elevo para vós minha oração, *
neste tempo favorável, Senhor Deus!

– Respondei-me pelo vosso imenso amor, *
pela vossa salvação que nunca falha!

=15 Retirai-me deste lodo, pois me afundo! †
Libertai-me, ó Senhor, dos que me odeiam, *
e salvai-me destas águas tão profundas!

=16
Que as águas turbulentas não me arrastem, †
não me devorem violentos turbilhões, *
nem a cova feche a boca sobre mim!

17 Senhor, ouvi-me, pois suave é vossa graça, *
ponde os olhos sobre mim com grande amor!

18 Não oculteis a vossa face ao vosso servo! *
Como eu sofro! Respondei-me bem depressa!

19
Aproximai-vos de minh’alma e libertai-me, *
apesar da multidão dos inimigos!

=20 Vós conheceis minha vergonha e meu opróbrio, †
minhas inrias, minha grande humilhação; *
os que me afligem estão todos ante vós!

21
O insulto me partiu o coração; *
não suportei, desfaleci de tanta dor!

= Eu esperei que alguém de mim tivesse pena, †
mas foi em vão, pois a ninguém pude encontrar; *
procurei quem me aliviasse e não achei!

22
Deram-me fel como se fosse um alimento, *
em minha sede ofereceram-me vinagre!

Ant. Deram-me fel como se fosse um alimento,
em minha sede ofereceram-me vinagre.

Ant. 3 Procurai o Senhor continuamente,
e o vosso coração revive.

III

30 Pobre de mim, sou infeliz e sofredor! *
Que vosso aulio me levante, Senhor Deus!

31 Cantando eu louvarei o vosso nome *
e agradecido exultarei de alegria!

32
Isto se mais agradável ao Senhor, *
que o sacricio de novilhos e de touros.

=33 Humildes, vede isto e alegrai-vos: †
o vosso coração reviverá, *
se procurardes o Senhor continuamente!

34 Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres, *
e não despreza o clamor de seus cativos.

35
Que céus e terra glorifiquem o Senhor *
com o mar e todo ser que neles vive!

=36 Sim, Deus vi e salvará Jerusalém, †
reconstruindo as cidades de Judá, *
onde os pobres morarão, sendo seus donos.

=37
A descendência de seus servos há de herdá-las, †
e os que amam o santo nome do Senhor *
dentro delas fixarão sua morada!

Ant. Procurai o Senhor continuamente,
e o vosso coração revive.

 

V. Voltai ao Senhor vosso Deus.

R. Ele é bom, compassivo e clemente.

 

Primeira leitura

Do Livro do Êxodo             35,30–36,1; 37,1-9

 

Construção do Santuário e da Arca

Naqueles dias, 35,30 Moisés disse aos filhos de Israel: “Vede, o Senhor nomeou especialmente a Beseleel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá; 31e o encheu do espírito de Deus, de sabedoria, habilidade e conhecimento para qualquer trabalho, 32como inventar e executar trabalhos de ouro, prata e bronze, 33talhar pedras e engastá-las, entalhar madeira, e executar qualquer tipo de obra de arte. 34Também lhe dispôs o coração, a ele e a Ooliab, filho de Aquisamec, da tribo de Dã, para ensinar os outros. 35Dotou-os de habilidade para executar qualquer tipo de obra de escultor, de artista e de bordador em púrpura violácea, vermelha e carmesim, em linho fino, bem como de tecelão, para executar e para projetar obras novas”.

36,1 Então, Beseleel e Ooliab, e todos os homens hábeis, a quem o Senhor deu habilidade e inteligência para saberem fazer com arte o que era necessário para o uso do santuário, fizeram o que o Senhor tinha mandado.

37,1 Beseleel fez a arca de madeira de acácia, de dois côvados e meio de comprimento, de um côvado e meio de largura e de um côvado e meio de altura. Revestiu-a de ouro puríssimo por dentro e por fora, 2e pôs-lhe em volta uma moldura de ouro. 3Depois, fundiu quatro argolas de ouro para os seus quatro pés, duas argolas de um lado e duas do outro. 4Fez varais de madeira de acácia, e revestiu-os de ouro. 5E enfiou os varais nas argolas do lado da arca para poder transportá-la.

6Fez o propiciatório de ouro puro, com dois côvados e meio de comprimento e um côvado e meio de largura. 7Fez também dois querubins de ouro batido para as duas extremidades do propiciatório: 8um querubim numa extremidade e outro na extremidade oposta; estes dois querubins figuravam nas duas extremidades do propiciatório. 9Os querubins tinham as asas estendidas para cima e cobriam com elas o propiciatório; estavam com as faces voltadas uma para a outra, olhando para o propiciatório.

 

Responsório             Sl 83(84),2.3; 45(46),5b.6a

R. Quão amável, ó Senhor, é vossa casa,

quanto a amo, Senhor, Deus do universo!

Minha alma desfalece de saudades

e anseia pelos átrios do Senhor.

* Meu coração e minha carne rejubilam

e exultam de alegria no Deus vivo.

R. A cidade de Deus é a morada do Altíssimo;

Quem a pode abalar? Deus está em seu meio.

* Meu coração.

 

Segunda leitura

Dos Comentários sobre o livro de Jó, de São Gregório Magno, papa

 

(Lib. 13,21-23: PL75,1028-1029)            (Séc.VI)

 

O mistério da nossa vida nova

O bem-aventurado Jó, como figura da santa Igreja, ora fala em nome do corpo, ora em nome da cabeça. Mas, às vezes, ocorre que, quando fala dos membros, toma subitamente as palavras da cabeça. Eis por que diz: Sofri tudo isso, embora não haja violência em minhas mãos e minha oração seja pura(Jó 16,17).

Sem haver violência alguma em suas mãos, teve também que sofrer aquele que não cometeu pecado e em cuja boca não se encontrou falsidade; no entanto, pela nossa salvação, suportou o tormento da cruz. Foi ele o único que elevou a Deus uma oração pura, pois mesmo em meio aos sofrimentos da paixão orou por seus perseguidores, dizendo: Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem! (Lc 23,34).

Quem poderá dizer ou pensar uma oração mais pura do que esta em que se pede misericórdia por aqueles mesmos que infligem a dor? Por isso, o sangue de nosso Redentor, derramado pela crueldade dos perseguidores,se transformou depois em bebida de salvação para os que nele acreditariam e o proclamariam Filho de Deus.

Acerca deste sangue, continua com razão o texto sagrado: Ó terra, não cubras o meu sangue, nem sufoques o meu clamor (Jó 16,18). E ao homem pecador foi dito: És pó e ao pó hás de voltar (Gn 3,19).

A terra, de fato, não ocultou o sangue de nosso Redentor, pois qualquer pecador, ao beber o preço de sua redenção, o proclama e louva e, como pode, o manifesta aos outros.

A terra não cobriu também o seu sangue porque a santa Igreja já anunciou em todas as partes do mundo o mistério de sua redenção.

Notemos no que se diz a seguir: Nem sufoques meu clamor. O próprio sangue da redenção, por nós bebido, é o clamor de nosso Redentor. Por isso diz também Paulo: Vós vos aproximastes da aspersão do sangue mais eloquente que o de Abel (Hb 12,24). E do sangue de Abel fora dito: A voz do sangue de teu irmão está clamando da terra por mim (Gn 4,10).

O sangue de Jesus é mais eloquente que o de Abel, porque o sangue de Abel pedia a morte do irmão fratricida, ao passo que o sangue do Senhor obteve a vida para seus perseguidores.

Assim, para que não nos seja inútil o sacramento da paixão do Senhor, devemos imitar aquilo que recebemos e anunciar aos outros o que veneramos.

O clamor de Cristo fica sufocado em nós, se a língua não proclama aquilo em que o coração acredita. Para que esse clamor não seja sufocado em nós, é preciso que, na medida de suas possibilidades, cada um manifeste aos outros o mistério de sua vida nova.

 

Responsório             Cf. Gn 4,10.11; Hb 12,24

R. Eis, Senhor, a voz do sangue de Jesus, o vosso Filho,

de Jesus, o nosso irmão, que, da terra, clama a vós!

* Bendita seja a terra, cuja boca se abriu,

bebendo o sangue redentor!

V. O sangue derramado por Jesus, o Mediador,

fala melhor, fala mais alto, do que o sangue de Abel.

* Bendita.

 

Oração

Infundi, ó Deus, vossa graça em nossos corações, para que, fugindo aos excessos humanos, possamos, com vosso auxílio, abraçar os vossos preceitos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.

 

 

 

 

 

Invitatório

 


V.
Vinde, ó Deus, em meu aulio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo. *
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém

Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente às Laudes.

Hino

Ó Cristo, sol de justiça,
brilhai nas trevas da mente.
Com força e luz, reparai
a criação novamente.

Dai-nos, no tempo aceitável,
um coração penitente,
que se converta e acolha
o vosso amor paciente.

A penitência transforme
tudo o que em nós há de mal.
É bem maior que o pecado
o vosso dom sem igual.

Um dia vem, vosso dia,
e tudo então refloresce.
Nós, renascidos na graça,
exultaremos em prece.

A vós, Trindade clemente,
com toda a terra adoramos,
e no perdão renovados
um canto novo cantamos.

Salmodia

Ant. 1 Foi contra vós, só contra vós que eu pequei.
Ó meu Deus, misericórdia e compaixão!

Salmo 50(51)

Tende piedade, ó meu Deus!

Renovai o vosso espírito e a vossa mentalidade. Revesti o homem novo (Ef 4,23-24).

3 Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! *
Na imensidão de vosso amor, purificai-me!

4
Lavai-me todo inteiro do pecado, *
e apagai completamente a minha culpa!

5 Eu reconheço toda a minha iniqüidade, *
o meu pecado está sempre à minha frente.

6
Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, *
e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

– Mostrais assim quanto sois justo na sentença, *
e quanto é reto o julgamento que fazeis.

7
Vede, Senhor, que eu nasci na iniqüidade *
e pecador já minha mãe me concebeu.

8 Mas vós amais os corações que são sinceros, *
na intimidade me ensinais sabedoria.

9
Aspergi-me e serei puro do pecado, *
e mais branco do que a neve ficarei.

10 Fazei-me ouvir cantos de festa e de alegria, *
e exultarão estes meus ossos que esmagastes.

11
Desviai o vosso olhar dos meus pecados *
e apagai todas as minhas transgressões!

12 Criai em mim um coração que seja puro, *
dai-me de novo um espírito decidido.

13
Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, *
nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

14 Dai-me de novo a alegria de ser salvo *
e confirmai-me com espírito generoso!

15
Ensinarei vosso caminho aos pecadores, *
e para vós se voltarão os transviados.

16 Da morte como pena, libertai-me, *
e minha língua exaltará vossa justiça!

17
Abri meus bios, ó Senhor, para cantar, *
e minha boca anunciará vosso louvor!

18 Pois não são de vosso agrado os sacrifícios, *
e, se oferto um holocausto, o rejeitais.

19
Meu sacricio é minha alma penitente, *
não desprezeis um coração arrependido!

20 Sede benigno com Sião, por vossa graça, *
reconstruí Jerusalém e os seus muros!

21
E aceitareis o verdadeiro sacrifício, *
os holocaustos e oblações em vosso altar!

Ant. Foi contra vós, só contra vós que eu pequei.
Ó meu Deus, misericórdia e compaixão!

Ant. 2 Conhecemos nossas culpas, pois pecamos contra vós.

Cântico Jr 14,17-21

Lamentação em tempo de fome e de guerra

O Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho! (Mc 1,15).

17 Os meus olhos, noite e dia, *
chorem grimas sem fim;

= pois sofreu um golpe horrível, †
foi ferida gravemente *
a virgem filha do meu povo!

18 Se eu saio para os campos, *
eis os mortos à espada;

– se eu entro na cidade, *
eis as timas da fome!

= Até o profeta e o sacerdote †
perambulam pela terra *
sem saber o que se passa.

19
Rejeitastes, por acaso, *
a Ju inteiramente?

– Por acaso a vossa alma *
desgostou-se de Sião?

– Por que feristes vosso povo *
de um mal que não tem cura?

– Espevamos a paz, *
e não chegou nada de bom;

– e o tempo de reerguer-nos, *
mas só vemos o terror!

=20 Conhecemos nossas culpas †
e as de nossos ancestrais, *
pois pecamos contra vós!

– Por amor de vosso nome, *
ó Senhor, não nos deixeis!

21 Não deixeis que se profane *
vosso trono glorioso!

– Recordai-vos, ó Senhor! *
Não rompais vossa Aliança!

Ant. Conhecemos nossas culpas, pois pecamos contra vós.

Ant. 3 O Senhor, somente ele é nosso Deus,
e nós somos o seu povo e seu rebanho.

Salmo 99(100)

A alegria dos que entram no templo

O Senhor ordena aos que foram salvos que cantem o hino de vitória (Sto. Atanásio).

=2 Aclamai o Senhor, ó terra inteira, †
servi ao Senhor com alegria, *
ide a ele cantando jubilosos!

=3 Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, †
Ele mesmo nos fez, e somos seus, *
nós somos seu povo e seu rebanho.

=4 Entrai por suas portas dando graças, †
e em seus átrios com hinos de louvor; *
dai-lhe graças, seu nome bendizei!

=5 Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, †
sua bondade perdura para sempre, *
seu amor é fiel eternamente!

Ant. O Senhor, somente ele é nosso Deus,
e nós somos o seu povo e seu rebanho.

Leitura breve             Is 53,11b-12
Meu Servo, o justo, fará justos inúmeros homens, carregando sobre si suas culpas. Por isso, compartilharei com ele multidões e ele repartirá suas riquezas com os valentes seguidores, pois entregou o corpo à morte, sendo contado como um malfeitor; ele, na verdade, resgatava o pecado de todos e intercedia em favor dos pecadores.

Responsório breve
R.
Vós nos resgatastes, ó Senhor,
* Para Deus o vosso sangue nos remiu. R. Vós nos.
V. Dentre todas as tribos e línguas,
dentre os povos da terra e nações. * Para Deus.
Glória ao Pai. R. Vós nos.

Cântico evangélico, ant.
É este o maior mandamento:
amarás o Senhor, o teu Deus, de todo o teu coração.

O Messias e seu Precursor

68 Bendito seja o Senhor Deus de Israel, * 
porque a seu povo visitou e libertou

69 e fez surgir um poderoso Salvador *
na casa de Davi, seu servidor

70 como falara pela boca de seus santos, * 
os profetas desde os tempos mais antigos, 

71 para salvar-nos do poder dos inimigos * 
e da mão de todos quantos nos odeiam. 

72 Assim mostrou misericórdia a nossos pais, * 
recordando a sua santa Aliança 

73 e o juramento a Abraão, o nosso pai, * 
de conceder-nos 
74 que, libertos do inimigo, 

= a ele nós sirvamos sem temor † 
75 em santidade e em justiça diante dele, * 
enquanto perdurarem nossos dias. 

=76 Serás profeta do Alssimo, ó menino, † 
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos, 

77 anunciando ao seu povo a salvação, *
que está na remissão de seus pecados; 

78 pela bondade e compaixão de nosso Deus, * 
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente, 

79 para iluminar a quantos jazem entre as trevas *
e na sombra da morte estão sentados 

– e para dirigir os nossos passos, * 
guiando-os no caminho da paz

Ant. É este o maior mandamento:
amarás o Senhor, o teu Deus, de todo o teu coração.

Preces
Demos graças a Cristo nosso Senhor que, morrendo na cruz, nos deu a vida; e de coração lhe peçamos:

R. Pela vossa morte, Senhor, fazei-nos viver!

Cristo nosso Mestre e Salvador, que nos ensinastes a vossa verdade, e nos renovastes pela vossa gloriosa Paixão,
não nos deixeis cair na infidelidade do pecado. R.

Ensinai-nos a praticar a abstinência,
para socorrer com nossos bens os irmãos necessitados. R.

Dai-nos a graça de viver santamente este dia de penitência quaresmal,
e consagrá-lo a vós com obras de caridade fraterna. R.

Corrigi, Senhor, as nossas vontades rebeldes,
e dai-nos um coração generoso e agradecido. R.

(intenções livres)

Pai nosso.

 

Oração

Infundi, ó Deus, vossa graça em nossos corações, para que, fugindo aos excessos humanos, possamos, com vosso auxílio, abraçar os vossos preceitos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

O Senhor nos abençoe,
nos livre de todo o mal
e nos conduza à vida eterna. Amém.

 

 

 

Oração das Nove Horas

 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém

 

Hino

Na fé em Deus, por quem vivemos,
na esperança do que cremos,
no dom da santa caridade,
de Cristo as glórias entoemos.

Ao sacrifício da Paixão
na hora terça conduzido,
Jesus levando a cruz às costas,
arranca às trevas o perdido.

Vós nos livrastes do decreto
duma total condenação;
do mundo mau livrai o povo,
fruto da vossa redenção.

A Cristo, ao Pai e ao Santo Espírito,
Trindade Santa, Eterno Bem,
nosso louvor e ação de graças
hoje e nos séculos. Amém.

Salmodia 

Ant. Chegou o tempo de penincia,
de conversão e de salvação.

Salmo 21(22)

Aflição do justo e sua libertação

Jesus deu um forte grito:  Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Mt 27,46).

I

2 Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes? *
E ficais longe de meu grito e minha prece?

3
Ó meu Deus, clamo de dia e não me ouvis, *
clamo de noite e para mim não há resposta!

4 Vós, no entanto, sois o santo em vosso Templo, *
que habitais entre os louvores de Israel.

5 Foi em vós que esperaram nossos pais; *
esperaram e vós mesmo os libertastes.

6
Seu clamor subiu a vós e foram salvos; *
em vós confiaram e não foram enganados.

7 Quanto a mim, eu sou um verme e não um homem; *
sou o opróbrio e o desprezo das nações.

8 Riem de mim todos aqueles que me vêem, *
torcem os bios e sacodem a cabeça:

9
“Ao Senhor se confiou, ele o liberte *
e agora o salve, se é verdade que ele o ama!”

10 Desde a minha concepção me conduzistes, *
e no seio maternal me agasalhastes.

11 Desde quando vim à luz vos fui entregue; *
desde o ventre de minha mãe sois o meu Deus!

12
Não fiqueis longe de mim, porque padeço; *
ficai perto, pois não há quem me socorra!

II

13 Por touros numerosos fui cercado, *
e as feras de Basã me rodearam;

14
escancararam contra mim as suas bocas, *
como leões devoradores a rugir.

15 Eu me sinto como a água derramada, *
e meus ossos estão todos deslocados;

– como a cera se tornou meu coração, *
e dentro do meu peito se derrete.

=16 Minha garganta está igual ao barro seco, †
minha língua está colada ao céu da boca, *
e por vós fui conduzido ao pó da morte!

17
Cães numerosos me rodeiam furiosos, *
e por um bando de malvados fui cercado.

– Transpassaram minhas mãos e os meus pés *
18 e eu posso contar todos os meus ossos.
= Eis que me olham e, ao ver-me, se deleitam! †
19
Eles repartem entre si as minhas vestes *
e sorteiam entre si a minha túnica.

20 Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, *
ó minha força, vinde logo em meu socorro!

21
Da espada libertai a minha alma, *
e das garras desses cães, a minha vida!

22 Arrancai-me da goela do leão, *
e a mim tão pobre, desses touros que me atacam!

23
Anunciarei o vosso nome a meus irmãos *
e no meio da assembléia hei de louvar-vos!

III

=24 Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores; †
glorificai-o, descendentes de Jacó, *
e respeitai-o toda a raça de Israel!

25 Porque Deus não desprezou nem rejeitou *
a miria do que sofre sem amparo;

– não desviou do humilhado a sua face, *
mas o ouviu quando gritava por socorro.

26 Sois meu louvor em meio à grande assembléia; *
cumpro meus votos ante aqueles que vos temem!

=27
Vossos pobres vão comer e saciar-se, †
e os que procuram o Senhor o louvarão; *
“Seus corações tenham a vida para sempre!”

28 Lembrem-se disso os confins de toda a terra, *
para que voltem ao Senhor e se convertam,

– e se prostrem, adorando, diante dele, *
todos os povos e as famílias das nações.

29 Pois ao Senhor é que pertence a realeza; *
ele domina sobre todas as nações.

30 Somente a ele adorarão os poderosos, *
e os que voltam para o pó o louvarão.

– Para ele há de viver a minha alma, *
31
toda a minha descendência há de servi-lo;

– às futuras gerações anunciará *
32 o poder e a justiça do Senhor;
– ao povo novo que há de vir, ela dirá: *
“Eis a obra que o Senhor realizou!”

Ant. Chegou o tempo de penincia,
de conversão e de salvação.

Leitura breve             Is 55,3
Inclinai vosso ouvido e vinde a mim, ouvi e tereis vida; farei convosco um pacto eterno, manterei fielmente as graças concedidas a Davi.

V. Criai em mim um coração que seja puro.
R. Dai-me de novo um espírito decidido!

Oração

Infundi, ó Deus, vossa graça em nossos corações, para que, fugindo aos excessos humanos, possamos, com vosso auxílio, abraçar os vossos preceitos. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

Oração das doze horas

 


V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém

Hino

Na mesma hora em que Jesus, o Cristo,
sofreu a sede, sobre a cruz pregado,
conceda a sede de justiça e graça
a quem celebra o seu louvor sagrado.

Ao mesmo tempo ele nos seja a fome
e o Pão divino que a Si mesmo dá;
seja o pecado para nós fastio,
só no bem possa o nosso gozo estar.

A unção viva do divino Espírito
impregne a mente dos que cantam salmos;
toda frieza do seu peito afaste,
no coração ponha desejos calmos,

Ao Pai e ao Cristo suplicamos graça,
com seu Espírito, eterno Bem;
Trindade Santa, protegei o orante,
guardai o povo em caridade. Amém.

Salmodia

Ant. Por minha vida, diz o Senhor,
não quero a
morte do pecador,
mas que ele
volte e tenha vida.

Salmo 21(22)

Aflição do justo e sua libertação

Jesus deu um forte grito:  Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Mt 27,46).

I

2 Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes? *
E ficais longe de meu grito e minha prece?

3
Ó meu Deus, clamo de dia e não me ouvis, *
clamo de noite e para mim não há resposta!

4 Vós, no entanto, sois o santo em vosso Templo, *
que habitais entre os louvores de Israel.

5 Foi em vós que esperaram nossos pais; *
esperaram e vós mesmo os libertastes.

6
Seu clamor subiu a vós e foram salvos; *
em vós confiaram e não foram enganados.

7 Quanto a mim, eu sou um verme e não um homem; *
sou o opróbrio e o desprezo das nações.

8 Riem de mim todos aqueles que me vêem, *
torcem os bios e sacodem a cabeça:

9
“Ao Senhor se confiou, ele o liberte *
e agora o salve, se é verdade que ele o ama!”

10 Desde a minha concepção me conduzistes, *
e no seio maternal me agasalhastes.

11 Desde quando vim à luz vos fui entregue; *
desde o ventre de minha mãe sois o meu Deus!

12
Não fiqueis longe de mim, porque padeço; *
ficai perto, pois não há quem me socorra!

II

13 Por touros numerosos fui cercado, *
e as feras de Basã me rodearam;

14
escancararam contra mim as suas bocas, *
como leões devoradores a rugir.

15 Eu me sinto como a água derramada, *
e meus ossos estão todos deslocados;

– como a cera se tornou meu coração, *
e dentro do meu peito se derrete.

=16 Minha garganta está igual ao barro seco, †
minha língua está colada ao céu da boca, *
e por vós fui conduzido ao pó da morte!

17
Cães numerosos me rodeiam furiosos, *
e por um bando de malvados fui cercado.

– Transpassaram minhas mãos e os meus pés *
18 e eu posso contar todos os meus ossos.
= Eis que me olham e, ao ver-me, se deleitam! †
19
Eles repartem entre si as minhas vestes *
e sorteiam entre si a minha túnica.

20 Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, *
ó minha força, vinde logo em meu socorro!

21
Da espada libertai a minha alma, *
e das garras desses cães, a minha vida!

22 Arrancai-me da goela do leão, *
e a mim tão pobre, desses touros que me atacam!

23
Anunciarei o vosso nome a meus irmãos *
e no meio da assembléia hei de louvar-vos!

III

=24 Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores; †
glorificai-o, descendentes de Jacó, *
e respeitai-o toda a raça de Israel!

25 Porque Deus não desprezou nem rejeitou *
a miria do que sofre sem amparo;

– não desviou do humilhado a sua face, *
mas o ouviu quando gritava por socorro.

26 Sois meu louvor em meio à grande assembléia; *
cumpro meus votos ante aqueles que vos temem!

=27
Vossos pobres vão comer e saciar-se, †
e os que procuram o Senhor o louvarão; *
“Seus corações tenham a vida para sempre!”

28 Lembrem-se disso os confins de toda a terra, *
para que voltem ao Senhor e se convertam,

– e se prostrem, adorando, diante dele, *
todos os povos e as famílias das nações.

29 Pois ao Senhor é que pertence a realeza; *
ele domina sobre todas as nações.

30 Somente a ele adorarão os poderosos, *
e os que voltam para o pó o louvarão.

– Para ele há de viver a minha alma, *
31
toda a minha descendência há de servi-lo;

– às futuras gerações anunciará *
32 o poder e a justiça do Senhor;
– ao povo novo que há de vir, ela dirá: *
“Eis a obra que o Senhor realizou!”

Ant. Por minha vida, diz o Senhor,
não quero a
morte do pecador,
mas que ele
volte e tenha vida.

Leitura breve             Cf. Jr 3,12b-14a
Voltai, é o Senhor que chama, não desviarei de vós minha face, porque eu sou misericordioso, não estarei irado para sempre. Convertei-vos, filhos, que vos tendes afastado de mim, diz o Senhor.

V. Desviai o vosso olhar dos meus pecados.
R. E apagai todas as minhas transgressões!

Oração

Infundi, ó Deus, vossa graça em nossos corações, para que, fugindo aos excessos humanos, possamos, com vosso auxílio, abraçar os vossos preceitos. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

 

Oração das Quinze Horas


 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém

 

Hino

O número sagrado,
três vezes três das horas,
abrindo um novo espaço,
nos chama à prece, agora.
Ao nome de Jesus,
perdão seu povo implora.

O Cristo ouviu a prece
sincera do ladrão.
A graça foi-lhe dada,
por sua confissão.
Jesus ouvindo a súplica,
também nos dê perdão.

Agora morre a morte,
vencida pela cruz;
após as trevas densas,
serena, volta a luz;
o horror do mal se quebra,
na mentes Deus reluz.

A Cristo nós rogamos
e ao Pai, eterno Bem,
com seu Divino Espírito,
amor que os sustém,
proteja sua Igreja
agora e sempre. Amém.

Salmodia

Ant. Sejamos firmes na provação:
Sua justiça é nossa força

Salmo 21(22)

Aflição do justo e sua libertação

Jesus deu um forte grito:  Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? (Mt 27,46).

I

2 Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes? *
E ficais longe de meu grito e minha prece?

3
Ó meu Deus, clamo de dia e não me ouvis, *
clamo de noite e para mim não há resposta!

4 Vós, no entanto, sois o santo em vosso Templo, *
que habitais entre os louvores de Israel.

5 Foi em vós que esperaram nossos pais; *
esperaram e vós mesmo os libertastes.

6
Seu clamor subiu a vós e foram salvos; *
em vós confiaram e não foram enganados.

7 Quanto a mim, eu sou um verme e não um homem; *
sou o opróbrio e o desprezo das nações.

8 Riem de mim todos aqueles que me vêem, *
torcem os bios e sacodem a cabeça:

9
“Ao Senhor se confiou, ele o liberte *
e agora o salve, se é verdade que ele o ama!”

10 Desde a minha concepção me conduzistes, *
e no seio maternal me agasalhastes.

11 Desde quando vim à luz vos fui entregue; *
desde o ventre de minha mãe sois o meu Deus!

12
Não fiqueis longe de mim, porque padeço; *
ficai perto, pois não há quem me socorra!

II

13 Por touros numerosos fui cercado, *
e as feras de Basã me rodearam;

14
escancararam contra mim as suas bocas, *
como leões devoradores a rugir.

15 Eu me sinto como a água derramada, *
e meus ossos estão todos deslocados;

– como a cera se tornou meu coração, *
e dentro do meu peito se derrete.

=16 Minha garganta está igual ao barro seco, †
minha língua está colada ao céu da boca, *
e por vós fui conduzido ao pó da morte!

17
Cães numerosos me rodeiam furiosos, *
e por um bando de malvados fui cercado.

– Transpassaram minhas mãos e os meus pés *
18 e eu posso contar todos os meus ossos.
= Eis que me olham e, ao ver-me, se deleitam! †
19
Eles repartem entre si as minhas vestes *
e sorteiam entre si a minha túnica.

20 Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, *
ó minha força, vinde logo em meu socorro!

21
Da espada libertai a minha alma, *
e das garras desses cães, a minha vida!

22 Arrancai-me da goela do leão, *
e a mim tão pobre, desses touros que me atacam!

23
Anunciarei o vosso nome a meus irmãos *
e no meio da assembléia hei de louvar-vos!

III

=24 Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores; †
glorificai-o, descendentes de Jacó, *
e respeitai-o toda a raça de Israel!

25 Porque Deus não desprezou nem rejeitou *
a miria do que sofre sem amparo;

– não desviou do humilhado a sua face, *
mas o ouviu quando gritava por socorro.

26 Sois meu louvor em meio à grande assembléia; *
cumpro meus votos ante aqueles que vos temem!

=27
Vossos pobres vão comer e saciar-se, †
e os que procuram o Senhor o louvarão; *
“Seus corações tenham a vida para sempre!”

28 Lembrem-se disso os confins de toda a terra, *
para que voltem ao Senhor e se convertam,

– e se prostrem, adorando, diante dele, *
todos os povos e as famílias das nações.

29 Pois ao Senhor é que pertence a realeza; *
ele domina sobre todas as nações.

30 Somente a ele adorarão os poderosos, *
e os que voltam para o pó o louvarão.

– Para ele há de viver a minha alma, *
31
toda a minha descendência há de servi-lo;

– às futuras gerações anunciará *
32 o poder e a justiça do Senhor;
– ao povo novo que há de vir, ela dirá: *
“Eis a obra que o Senhor realizou!”

Ant. Sejamos firmes na provação:
Sua justiça é nossa força

Leitura breve             Tg 1,27
A religião pura e sem mancha diante de Deus Pai, é esta: assistir os órfãos e as viúvas em suas tribulações e não se deixar contaminar pelo mundo.

V. Meu sacrifício é minha alma penitente.
R. Não desprezeis um coração arrependido!

Oração

Infundi, ó Deus, vossa graça em nossos corações, para que, fugindo aos excessos humanos, possamos, com vosso auxílio, abraçar os vossos preceitos. Por Cristo, nosso Senhor.

Conclusão da Hora

V.Bendigamos ao Senhor.
R. Graças a Deus.

 

 

 

 

 

V. Vinde, ó Deus, em meu aulio.

R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Esrito Santo.
Como era no prinpio, agora e sempre. Amém

 

Hino

A abstinência quaresmal
vós consagrastes, ó Jesus;
pelo jejum e pela prece,
nos conduzis.da treva à luz.

Ficai presente agora à Igreja,
ficai presente à penitência,
pela qual vos suplicamos
para os pecados indulgência.

Por vossa graça, perdoai
as nossas culpas do passado;
contra as futuras protegei-nos,
manso Jesus, Pastor amado,

Para que nós, purificados
por esses ritos anuais,
nos preparemos, reverentes,
para gozar os dons pascais.

Todo o universo vos adore,
Trindade Santa, Sumo Bem.
Novos, por graça, vos cantemos
um canto novo e belo. Amém.

Salmodia

Ant. 1 O Senhor, nosso Deus, é tão grande,
e maior do que todos os deuses.

Salmo 134(135)

Louvor ao Senhor por suas maravilhas

Povo que ele conquistou, proclamai as obras admiráveis daquele que vos chamou das trevas para a sua luz maravilhosa (cf. 1Pd 2,9).

I

1 Louvai o Senhor, bendizei-o; *
louvai o Senhor, servos seus,

2
que celebrais o louvor em seu templo *
e habitais junto aos átrios de Deus!

3 Louvai o Senhor, porque é bom; *
cantai ao seu nome suave!

4
Escolheu para si a Jacó, *
preferiu Israel por herança.

5 Eu bem sei que o Senhor é tão grande, *
que é maior do que todos os deuses.

=6
Ele faz tudo quanto lhe agrada, †
nas alturas dos céus e na terra, *
no oceano e nos fundos abismos.

=7 Traz as nuvens do extremo da terra, †
transforma os raios em chuva, *
das cavernas libera os ventos.

8 No Egito feriu primogênitos, *
desde homens até animais.

9 Fez milagres, prodígios, portentos, *
perante Faraó e seus servos.

10
Abateu numerosas nações *
e matou muitos reis poderosos:

=11 A Seon que foi rei amorreu, †
e a Og que foi rei de Basã, *
como a todos os reis cananeus.

12
Ele deu sua terra em herança, *
em herança a seu povo, Israel.

Ant. O Senhor, nosso Deus, é tão grande,
e maior do que todos os deuses.

Ant. 2 Israel, bendizei o Senhor,
cantai ao seu nome suave!

II

13 Ó Senhor, vosso nome é eterno; *
para sempre é a vossa lembrança!

14
O Senhor faz justiça a seu povo *
e é bondoso com aqueles que o servem.

15 São os deuses pagãos ouro e prata, *
todos eles são obras humanas.

16
Têm boca e não podem falar, *
têm olhos e não podem ver;

17 tendo ouvidos, não podem ouvir, *
nem existe respiro em sua boca.

18
Como eles serão seus autores, *
que os fabricam e neles confiam!

19 Israel, bendizei o Senhor; *
sacerdotes, louvai o Senhor;

20 levitas, cantai ao Senhor; *
fiéis, bendizei o Senhor!

21
Bendito o Senhor de Sião, *
que habita em Jerusalém!

Ant. Israel, bendizei o Senhor,
cantai ao seu nome suave!

Ant. 3 Os povos virão adorar-vos, Senhor.

Cântico Ap 15,3-4

Hino de adoração

3 Como são grandes e admiveis vossas obras, *
ó Senhor e nosso Deus onipotente!

– Vossos caminhos são verdade, são justiça, *
ó Rei dos povos todos do universo!

(R. São grandes vossas obras, ó Senhor!)

=4 Quem, Senhor, não haveria de temer-vos, †
e quem não honraria o vosso nome? *
Pois somente vós, Senhor, é que sois santo!

(R.)

= As nações todas hão de vir perante vós, †
e prostradas haverão de adorar-vos, *
pois vossas justas decisões são manifestas!

(R.)

Ant. Os povos virão adorar-vos, Senhor.

Leitura breve             Tg 5,16.19-20
Confessai uns aos outros os vossos pecados e orai uns pelos outros para alcançar a saúde. A oração fervorosa do justo tem grande poder. Meus irmãos, se alguém de vós se desviar da verdade e outro o reconduzir, saiba este que aquele que reconduz um pecador desencaminhado salvará da morte a alma dele e cobrirá uma multidão de pecados.

Responsório breve
R.
Curai-me, Senhor, ó Deus Santo,
* Pois pequei contra vós. R. Curai-me.
V. Tende piedade de mim, renovai-me! * Pois pequei.
Glória ao Pai. R. Curai-me.

Cântico evangélico, ant.
Amar o próximo como a si mesmo
vale mais que qualquer sacrifício.

A alegria da alma no Senhor

46 A minha alma engrandece ao Senhor
47 e se alegrou o meu esrito em Deus, meu Salvador
48 pois ele viu a pequenez de sua serva, * 
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. 

49 O Poderoso fez por mim maravilhas * 
e Santo é o seu nome! 
50 Seu amor, de geração em geração, * 
chega a todos que o respeitam; 

51 demonstrou o poder de seu braço, * 
dispersou os orgulhosos; 
52 derrubou os poderosos de seus tronos * 
e os humildes exaltou;

53 De bens saciou os famintos, * 
e despediu, sem nada, os ricos. 
54 Acolheu Israel, seu servidor, * 
fiel ao seu amor

55 como havia prometido aos nossos pais, * 
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre. 

= Demos glória a Deus Pai onipotente
e a seu Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso, †
e ao Esrito que habita em nosso peito, *
pelos culos dos culos. Amém.

Ant. Amar o próximo como a si mesmo
vale mais que qualquer sacrifício.

Preces

Elevemos nossas súplicas ao Senhor Jesus Cristo, que nos santificou com o seu sangue; e digamos:

R. Senhor, tende compaixão do vosso povo!

Jesus, Redentor nosso, pelos méritos da vossa Paixão, dai aos vossos fiéis o espírito de penitência, sustentai-os no combate contra o mal e reavivai a sua esperança,
para que se disponham para celebrar mais santamente a vossa Ressurreição. R.

Fazei que os cristãos, exercendo sua missão profética, anunciem por toda parte o Evangelho do Reino,
e o confirmem com seu testemunho de fé, esperança e caridade. R.

Confortai os aflitos com a força do vosso amor,
e fazei que saibamos consolá-los com nossa solicitude fraterna. R.

Ensinai-nos a levar nossa cruz em união com os vossos sofrimentos,
para que manifestemos em nós mesmos a vossa salvação. R.

(intenções livres)

Autor da vida, lembrai-vos daqueles que partiram deste mundo,
e concedei-lhes a glória da ressurreição. R.

Pai nosso...

 

Oração

Infundi, ó Deus, vossa graça em nossos corações, para que, fugindo aos excessos humanos, possamos, com vosso auxílio, abraçar os vossos preceitos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

O Senhor nos abençoe,
nos livre de todo o mal
e nos conduza à vida eterna. Amém.

 

 

 

 

 

V. Vinde, ó Deus, em meu auxílio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.


Depois, recomenda-se o exame de consciência (...)
 

Hino

Agora que o clarão da luz se apaga,
a vós nós imploramos, Criador:
com vossa paternal misericórdia,
guardai-nos sob a luz do vosso amor.

Os nossos corações sonhem convosco:
no sono, possam eles vos sentir.
Cantemos novamente a vossa glória
ao brilho da manhã que vai surgir.

Saúde concedei-nos nesta vida,
as nossas energias renovai;
da noite a pavorosa escuridão
com vossa claridade iluminai.

Ó Pai, prestai ouvido às nossas preces,
ouvi-nos por Jesus, nosso Senhor,
que reina para sempre em vossa glória,
convosco e o Espírito de Amor.

Salmodia

Ant. De dia e de noite eu clamo por vós.

Salmo 87(88)

Prece de um homem gravemente enfermo

Mas esta é a hora, a hora do poder das trevas (Lc 22,53).

2 A vós clamo, Senhor, sem cessar, todo o dia, *
e de noite se eleva até vós meu gemido.
3 Chegue a minha oração até a vossa presença, *
inclinai vosso ouvido a meu triste clamor!

4 Saturada de males se encontra a minh’alma, *
minha vida chegou junto às portas da morte.
5 Sou contado entre aqueles que descem à cova, *
toda gente me vê como um caso perdido!

6 O meu leito já tenho no reino dos mortos, *
como um homem caído que jaz no sepulcro,
– de quem mesmo o Senhor se esqueceu para sempre *
e excluiu por completo da sua atenção.

7 Ó Senhor, me pusestes na cova mais funda, *
nos locais tenebrosos da sombra da morte.
8 Sobre mim cai o peso do vosso furor, *
vossas ondas enormes me cobrem, me afogam.

9 Afastastes de mim meus parentes e amigos, *
para eles tornei-me objeto de horror.
– Eu estou aqui preso e não posso sair, *
10 e meus olhos se gastam de tanta aflição. 

– Clamo a vós, ó Senhor, sem cessar, todo o dia, *
minhas mãos para vós se levantam em prece.
11 Para os mortos, acaso, faríeis milagres? *
poderiam as sombras erguer-se e louvar-vos?

12 No sepulcro haverá quem vos cante o amor *
e proclame entre os mortos a vossa verdade?
13 Vossas obras serão conhecidas nas trevas, *
vossa graça, no reino onde tudo se esquece?

14 Quanto a mim, ó Senhor, clamo a vós na aflição, *
minha prece se eleva até vós desde a aurora.
15 Por que vós, ó Senhor, rejeitais a minh’alma? *
E por que escondeis vossa face de mim?

16 Moribundo e infeliz desde o tempo da infância, *
esgotei-me ao sofrer sob o vosso terror.
17 Vossa ira violenta caiu sobre mim *
e o vosso pavor reduziu-me a um nada!

18 Todo dia me cercam quais ondas revoltas, *
todos juntos me assaltam, me prendem, me apertam.
19 Afastastes de mim os parentes e amigos, *
e por meus familiares só tenho as trevas!

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. De dia e de noite eu clamo por vós.

Leitura breve         Cf. Jr 14,9
Tu, Senhor, estás no meio de nós, e teu nome foi invocado sobre nós; não nos abandones, Senhor nosso Deus.

Responsório breve
R.
Senhor, em vossas mãos
* Eu entrego o meu espírito. R.Senhor.
V. Vós sois o Deus fiel, que salvastes vosso povo.
* Eu entrego. Glória ao Pai. R.Senhor.

Cântico evangélico, ant.

Salvai-nos, Senhor, quando velamos,
guardai-nos também quando dormimos!
Nossa mente vigie com o Cristo,
nosso corpo repouse em sua paz!

Cântico de Simeão Lc 2,29-32

Cristo, luz das nações e glória de seu povo

29 Deixai, agora, vosso servo ir em paz, *
conforme prometestes, ó Senhor.

30 Pois meus olhos viram vossa salvação *
31 que preparastes ante a face das nações:

32 uma Luz que brilhará para os gentios *
e para a glória de Israel, o vosso povo.

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

Ant. Salvai-nos, Senhor, quando velamos,
guardai-nos também quando dormimos!
Nossa mente vigie com o Cristo,
nosso corpo repouse em sua paz!

Oração

Concedei-nos, Senhor, de tal modo unir-nos ao vosso Filho morto e sepultado, que mereçamos ressurgir com ele para uma vida nova. Por Cristo, nosso Senhor.

O Senhor todo-poderoso nos conceda uma noite tranquila
e, no fim da vida, uma morte santa.
R. Amém.

Antífona final de Nossa Senhora

Ó Mãe do Redentor, do céu ó porta,
ao povo que caiu, socorre e exorta,
pois busca levantar-se, Virgem pura,
nascendo o Criador da criatura:
tem piedade de nós e ouve, suave,
o anjo te saudando com seu Ave!

Ou:


Ave, Rainha do céu;
ave, dos anjos Senhora;
ave, raiz, ave, porta;
da luz do mundo és aurora.
Exulta, ó Virgem tão bela,
as outras seguem-te após;
nós te saudamos: adeus!
E pede a Cristo por nós!
Virgem Mãe, ó Maria!

Ou:


Salve, Rainha, Mãe de misericórdia,
vida doçura, esperança nossa, Salve!
A vós bradamos os degredados filhos de Eva,
a vós suspiramos gemendo e chorando
neste vale de lágrimas!
Eia, pois, Advogada nossa,
esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei,
e depois deste desterro mostrai-nos Jesus,
bendito fruto do vosso ventre!
Ó clemente, ó piedosa,
ó doce sempre Virgem Maria.

Ou:


À vossa proteção recorremos, santa Mãe de Deus;
não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades,
mas livrai-nos sempre de todos os perigos,
ó Virgem gloriosa e bendita.